Graciella Tenório

A nutrição no combate ao envelhecimento da pele

O envelhecimento é um processo natural do organismo e com isso uma série de modificações físicas, estruturais e orgânicas refletem no indivíduo. A pele atua como uma espécie de marcador da idade cronológica. A prevenção é a maneira mais eficaz para retardar o envelhecimento da pele que se acentua com o avanço da idade. Existem dois tipos de envelhecimento: o intrínseco, que é cronológico e os fatores genéticos; e o extrínseco, que é ocasionado pelo estilo de vida, hábitos e comportamentos como a exposição à poluição, alimentação deficiente de nutrientes, ingestão habitual insuficiente de água, má qualidade do sono, álcool, fumo e falta de exercícios físicos regulares. A exposição excessiva a radiação solar também contribui para o envelhecimento cutâneo e é considerado o fator mais determinante para o envelhecimento da pele, pois apesar de estimular a melanina que é o pigmento que protege as células dos efeitos maléficos do sol, dependendo do tempo e da intensidade dessa exposição solar, a melanina acaba por se tornar ineficaz quanto a essa proteção, gerando assim um eritema (vermelhidão) e queimaduras, levando a perda da elasticidade da pele, aumento do ressecamento, surgimento de manchas, rugas, podendo ocasionar até um câncer de pele. A formação de rugas e linhas de expressão se deve a uma diminuição na formação de colágeno. De forma natural, essa produção de colágeno reduz em 35% aos 50 anos de idade, e também com a menor síntese do hormônio sexual feminino estrógeno por conta da menopausa, essa produção de colágeno pode diminuir ainda mais. Vários estudos mostram que a suplementação de colágeno hidrolisado pode melhorar a elasticidade e firmeza da pele. Além disso, manter um estilo de vida equilibrado juntamente com uma alimentação rica em antioxidantes e compostos bioativos como carotenóides, vitamina C, vitamina E e flavonóides, podem amenizar a formação de radicais livres e auxiliar na renovação das células. Veja a seguir, as principais fontes alimentares:

 

Carotenóides: Licopeno – tomate, pimenta, morango, entre outros. B-caroteno: abóbora, mamão, melão, pêssego, cenoura, brócolis, espinafre, entre outros.

Vitamina E: grãos de cereais, carnes e ovos, produtos lácteos, brócolis, entre outros.

Vitamina C: acerola, laranja, limão, goiaba, couve, couve-flor, entre outros.

Flavonóides: chá verde, suco de uvas, ameixa, cacau, maçã, nozes, entre outros.

 

FONTES:

DOI: 10.3390/nu11102494

DOI: 10.1111/jocd.12174

DOI: 10.3390/antiox9020181

DOI: 10.1590/S1413-81232011001000027

Este Blog é independente, todo conteúdo é de responsabilidade do seu idealizador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *